Top
atacama_01

RAD#04 – Bolívia | Perú

lag_verde_02Antes de visitar Iquique, nosso destino final de filmagem, conhecemos os vizinhos Bolívia e Peru. Atravessamos a fronteira entre Chile e Peru pelo meio do deserto do Atacama. Foram 3 dias até chegarmos ao Deserto de Sal em Uyuni, passando por paisagens inacreditáveis em uma trilha que só é possível em um 4×4. No terceiro dia, chegamos ao Deserto de Sal às 5h – o nascer do sol, sem exageros, parece o início do mundo: da escuridão nasce uma fonte de energia que se arrasta pelo solo branco, revelando aos poucos a imensidão branca que estamos. Sem dúvida um dos trechos mais bonitos e interessantes da viagem.
Foto: Laguna verde | Bolívia

home_himawari_camera_salBolívia_blogcabemaisum_flipCemitério de trem_02Fotos: Em ordem: 01 Deserto de Sal, Uyuni  02 e 03  La Paz, 04 Cemitério de trem, cidade de Uyuni
 

Mapa_TRECHO_02_FINAL

Trecho#02 – 2.850km
 

Saindo de  La Paz tivemos dois destinos principais no Peru:

 

Machupicchu e as misteriosas linhas de Nasca. O Peru é um país com uma história de desenvolvimento muito sofrida. Relatos históricos demonstram que o Império Inca, antes do domínio dos espanhóis, estava em um nível de desenvolvimento cultural, arquitetônico e sócio-político muito avançado. Evidências mostram que o povo Inca estruturou um império socialista bem sucedido, não existia miséria, todos trabalhavam, tinham casas dignas e terras para cultivo.

macchu

 

Macchupicchu visto de Waynapicchu

É muito intenso entrar em Machupicchu – a cidade que serviu para abrigar os intelectuais do Império Inca. O local tem uma energia realmente poderosa, arquitetura e engenharia extremamente avançadas – é triste pensar no estrago que a colonização espanhola fez a esse império e a todo o país. Machupicchu só ficou intacta, sem ser transformada em uma cidade espanhola, porque foi abandonada pelos incas durante a ofensiva dos inimigos.


waynapicchuWaynapicchu

Em notas de viagem, Che Guevara descreve sobre a cidade:

" Poblado que guardara en su recinto a los últimos integrantes de un pueblo libre "

Todas as cidades Incas  tinham um desenho urbanístico referente a um animal sagrado, Machupicchu tem os traços de um gigantesco Condor em pleno voo; Cusco tinha o formato de um puma, porém, a capital do Império foi uma das cidades que perderam sua identidade no período da colonização.

Macchu_03 Macchu_02Detalhes de Macchupicchu

trajeto_03_CERTO

Após passarmos pelas ruínas incas fomos para Nasca, onde estão os geoglifos mais estudados no mundo. Geoglifos são desenhos esculpidos no solo do deserto pelos povos Nasca, os mais antigos datam de 193 a.C e, portanto, foram feitos há mais de 2.200 anos. Existem muitas teorias sobre o que motivou os Nasca a fazerem esses desenhos: de mapas astronômicos a campo de pouso para naves extraterrestres. Entretanto, a hipótese mais aceita é de que povos viajantes que cruzavam o deserto em direção a terras férteis e a Cahuachi (centro religioso da cultura Nasca) fizeram os desenhos em um ponto de passagem ao longo de seu caminho, como um pedido aos deuses por água.


nazca_01Vigia em Cahuachi: Muitos dos sítios arqueológicos foram saqueados por caçadores de tesouros que vendem evidências arqueológicas, principalmente cerâmicas, a preços exorbitantes no mercado clandestino. Esses saqueadores são conhecidos como Huaqueros.

 

 * Foto#1 – Vigia em Cahuachi

 * Foto#2 – Colibri

 * Foto#3 – Carreteracolibri

                                                                nazca_06_1200                                                                                                                Fotos: Fernando Bellia | Paula Martinelli                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                
 

Leave a comment